Saiba como escrever uma boa peça processual - Conecta Advogado

Saiba como escrever uma boa peça processual

Escrever boas peças processuais vai muito além da utilização de modelos prontos e velhos chavões do Direito, como jurisprudência em excesso e vocabulário rebuscado. Na verdade, a habilidade de fazer boas peças processuais pode ser aprendida, e há uma série de erros que você pode evitar ao elaborar as suas.

Gostaria de saber mais informações? Continue a leitura deste post e confira as nossas dicas sobre como escrever uma boa peça processual.

Prática em vez de vocação

Há quem diga que nasceu com um “dom” para escrever bem, principalmente quando trata-se de peças processuais. Isso costuma não ser verdade. Em vez de vocação, é a prática que faz bons advogados, especialmente no que diz respeito à elaboração de petições iniciais, defesas, contrarrazões e recursos. Cada contexto exige peças distintas, por isso é importante praticar muito.

Objetividade e textos mais enxutos

Uma regra geral para a escrita de boas peças é manter a objetividade. Cada vez mais, o Direito caminha no sentido de reduzir trâmites, buscar a automatização de procedimentos (processo eletrônico) e buscar mais oralidade nos procedimentos, além de reduzir o tempo e as fases de um processo. Nesse contexto, as peças também mudam.

Juízes, desembargadores e partes esperam peças cada vez mais objetivas e sintéticas. Isso facilita a evolução do processo e a clareza dos argumentos. Se você reparar bem, até mesmo decisões e sentenças têm seguido essa tendência.

Encadear argumentos de forma organizada e lógica

Para convencer o juiz e escrever peças processuais contundentes, é preciso organizar argumentos de forma lógica e substanciada. Dos argumentos mais fortes para os mais acessórios, cada ponto levantado ao longo da peça deve ser corroborado por jurisprudência e legislação. Referenciá-los em notas de rodapé ajuda a manter a organização e sintetismo visual das peças.

Revisar sua peça processual é imprescindível

Jamais protocole uma peça, ou distribua uma petição inicial sem antes revisá-las. Por mais que o advogado se esforce, sempre haverá erros gramaticais, ortográficos e materiais. O trabalho de revisão, no entanto, busca reduzir ao máximo essas falhas.

Erros comuns que você deve evitar

Agora que você descobriu as diretrizes gerais sobre como escrever boas peças, está na hora de saber quais erros evitar. Veja:

1. Utilizar diferentes fontes e cores

Mantenha a sobriedade e o tradicionalismo visual em suas peças. Evite fontes coloridas e disformes ao longo do texto, inclusive em relação ao tamanho.

2. Peças muito longas

Quanto mais sintéticas e objetivas forem suas peças, melhor. Não enrole ao apresentar seus argumentos.

3. Oralidade

Evite elementos de oralidade ao escrever peças. O vocabulário não precisa ser rebuscado, mas também não pode ser informal.

4. Excesso de destaques

Negrito, caixa alta, itálico e sublinhado: use esses recursos com bastante moderação! Se você destacar todo o texto, a intenção de realce acaba perdendo seu propósito.

5. Adjetivos e advérbios desnecessários

Advogados costumam utilizar muitos adjetivos e advérbios para enfatizar seus argumentos, mas isso só distrai o leitor do conteúdo central da peça. Cada vez mais, advogados, juízes, promotores e demais partes processuais têm prezado pela clareza e objetividade na escrita jurídica.

Com essas dicas em mãos, fica mais fácil escrever uma boa peça processual e garantir o sucesso de suas causas! Aproveite também para assinar nossa newsletter e continuar recebendo mais informações sobre temas jurídicos. Participe!


Deixe um comentário