Conecta, Autor em Conecta Advogado - Page 8 of 8

Nós sabemos que advogar está cada vez mais difícil para o jovem advogado, que há pouco virou um profissional e está enfrentando várias dificuldades e dúvidas. Acalme-se, você não está sozinho! A equipe da Conecta Advogado trouxe algumas das melhores dicas para quem está buscando alavancar a carreira e atingir o sucesso fazendo o que mais gosta. Confira:

Networking: acredite, fazer conexões ajuda muito sempre – mas, principalmente, no início da carreira. O networking pode fazer toda a diferença para: captar clientes, conhecer pessoas que possam indicar clientes, conhecer outros advogados e aprender com eles, fazer parcerias com advogados de outras áreas… As possibilidades são infinitas! Identifique potenciais clientes, faça conexão com eles e construa bons relacionamentos. Lembre-se que todas as pessoas têm algo para ensinar. Você sabia que é a média das cinco pessoas com quem mais convive? Eis a importância de estar entre as pessoas que você admira e se espelha.

Atualização: Leia todas as notícias e participe de eventos referentes às areas que você atua. É fundamental estar SEMPRE atualizado! Lembre-se: o treino NUNCA acaba. Atualize-se!

Aperfeiçoamento: Busque sempre conhecimento para aumentar sua performance profissional. Procure também cursos e treinamentos que ajudem você a aperfeiçoar habilidades que possam otimizar seu trabalho, em especial aquelas que não aprendemos na faculdade, como gestão de escritório, marketing e prática jurídica.

Marketing: Aprenda a se autopromover e captar mais clientes, dentro dos preceitos éticos e legais. Já conhece o curso da Conecta Advogado sobre Marketing Jurídico?

Modele: Quem representa o profissional de sucesso que você gostaria de ser? Descubra o diferencial desta pessoa, quais foram suas principais atitudes, como ela se destacou, como pensa e como age.

Relacionamento com o cliente: Quando uma pessoa contrata um advogado, está depositando sua confiança neste profissional sobre algo realmente importante de sua vida (às vezes, a mais importante!). Trate-o melhor do que gostaria de ser tratado: cumpra prazos, retorne ligações, ligue para dar informações, envie e-mails, ou mesmo uma carta para aqueles que ainda não são familiarizados com a tecnologia, sobre o andamento processual (mesmo que não haja novidades), demonstre que você dá valor ao problema do seu cliente. É importante que seu cliente saiba que a morosidade é do judiciário, não sua. Deixe-o ciente que você está cuidando do trabalho que lhe foi confiado. E, se você ainda não está convencido, lembre-se que seu cliente é seu melhor marketing!

Ganhe experiência: Busque estagiar, mesmo que sem remuneração, de preferência em alguma área que você deseja atuar. Assista audiências, veja processos de advogados mais experientes, converse com esses profissionais e tenha a humildade de aprender com eles.

Defina uma meta: qual área deseja atuar? quantos processos deseja ter? quer ser dono do seu escritório ou ser contratado? quanto deseja ganhar por mês? Escreva sua meta detalhadamente e elabore um plano de ação.

Para obter um grande resultado, você terá de se esforçar bastante. Se fosse fácil, todos fariam.

Nos vemos no topo!

Sucesso!


A palavra empreendedorismo sofre preconceito até hoje no meio jurídico. Confesso que eu já fui uma dessas pessoas que achava que uma coisa não tinha a ver com a outra, mas mudei de ideia e aposto que você também vai mudar!
Já falamos bastante sobre atitudes empreendedoras neste artigo. E agora vamos falar do Advogado intraempreendedor.
Primeiro, vamos deixar claro que ser empreendedor não significa necessariamente que você é dono de uma empresa. É isso mesmo: você pode ser um empreendedor em casa, no trabalho, nas suas atividades diárias.
Por exemplo, um advogado pode ser empreendedor mesmo sendo contratado de um escritório. Este é conhecido como intraempreendedor. Ou seja, é aquele empreendedor que, dentro de uma organização, identifica uma oportunidade e consegue mobilizar os recursos necessários para explorar esta oportunidade, tornando algo concreto.
Eu posso garantir que este é um excelente começo para quem deseja ter uma carreira mais próspera. Torne-se um advogado empreendedor!
É muito simples: comece observando com mais cuidado cada porta que se abre durante o seu dia, reclame menos e realize mais. Usando sua criatividade, você será capaz de desenvolver sua equipe, otimizar seu trabalho, conectar-se com mais pessoas, concretizar novos negócios e projetos.
A grande diferença entre quem tem sucesso e quem não tem é a atitude diante de cada situação. Veja cada problema como uma oportunidade, a atitude empreendedora faz diferença nas organizações.
Acompanhe a Conecta Advogado e conecte-se com mais pessoas que estão buscando sucesso profissional.
Estamos na torcida para ver você no topo!
Sucesso!

Parece que empreendedorismo é uma palavra exclusiva para empresários, não é mesmo?
Não! Existem diversos empresários que não são empreendedores, ao mesmo tempo que você pode empreender em qualquer área da sua vida, inclusive dentro do seu escritório, mesmo que você seja um advogado contratado.
Você sabe o que é empreendedorismo? Você é uma pessoa empreendedora?
Empreender significa identificar uma oportunidade e ter a atitude necessária para transformá-la em algo concreto.
É claro que você precisa usar sua criatividade, é fácil, basta criar um hábito. O sucesso também não cai do céu, não é mesmo?
Pode soar estranho dizer isso e é uma grande verdade: ter um comportamento empreendedor é uma questão de hábito! Como todo hábito, todos são capazes de implantar e, depois de um tempo, será automático.
Vamos à prática: qual sua atitude diante de um problema, reclamar ou buscar uma solução criativa?
Se vc respondeu RECLAMAR, sinto informar que, se não mudar de atitude, você será sempre um profissional mediano. Se você respondeu que busca solução, parece que vc está no caminho certo, tem um indício de comportamento empreendedor. Se além de pensar, você toma atitudes com o sincero intuito de resolver problemas e melhorar a sua performance, de seus colegas e de seu escritório, parabéns, você tem um encontro marcado com o sucesso.
Aí está a mágica, o empreendedor realiza! As pessoas que tanto reclamam, pouco realizam e, portanto, pouco são notadas. Os empreendedores se destacam porque não economizam boas atitudes quando estão diante de uma questão a ser resolvida.
Se você for um advogado autônomo, ao ter um comportamento empreendedor, certamente perceberá o reflexo na quantidade e na satisfação dos clientes e parceiros, bem como, nos resultados de sua equipe. Se você for um advogado contratado, passará a ser mais valorizado e, consequentemente, mais bem remunerado, conquistando mais alguns degraus na escada do sucesso.
Todos os problemas, invariavelmente, podem ser encarados como uma oportunidade. Já dizia minha mãe: você prefere pegar este limão que a vida deu e chupar azedo ou fazer uma  limonada?
Acompanhe a Conecta Advogado e receba mais dicas sobre como alavancar sua carreira.
Tenha atitudes empreendedoras!
Sucesso!

No início de 2007 entrava em vigor a Lei nº. 11.419/2006 que dispõe acerca da informatização do processo judicial, da comunicação eletrônica dos atos processuais e o do processo eletrônico. Naturalmente, em seu art. 8º, a legislação preceituou a possibilidade de desenvolvimento de sistemas eletrônicos pelos órgãos do Poder Judiciário.

Eis o problema!! Atualmente, em que pese o esforço do Conselho Nacional de Justiça na padronização de um sistema único, aproximadamente 30 (trinta) sistemas eletrônicos estão em operação nos tribunais brasileiros.

Visualizando que a modernização faz parte do processo e que a ausência de padrão tornaria complexo o manuseio dos processos eletrônicos, em 2009 o Conselho Nacional de Justiça – CNJ, com a colaboração de diversos tribunais brasileiros, desenvolveu o software do Processo Judicial Eletrônico – Pje com o objetivo de permitir a prática de atos processuais pelos magistrados, servidores, advogados e demais participantes da relação processual.

Nessa linha de padronização, sobreveio a Resolução nº. 185/2013 que instituiu o Sistema Processo Judicial Eletrônico – PJe como o sistema de processamento de informações e prática de atos processuais e estabeleceu os parâmetros para sua implementação e funcionamento. Nesse ponto, vale ressaltar o § 3º do art. 34 da Resolução 185/2013 que determina a implantação gradativa do sistema PJe em 100% (cem por cento) dos tribunais brasileiros nos anos de 2016, 2017 e 2018, a depender do porte do tribunal.

Contudo, no início de 2016 o sistema está longe de operacionalizar com atuação 100% (cem por cento) funcional, pois apresenta diversas incompatibilidades de tramitação, sistemas e programas.

Assim, vale a reflexão acerca da modernização do processo judicial, pois a conexão aos novos sistemas será um diferencial.

Atualize-se!