Conecta, Autor em Conecta Advogado - Page 4 of 8

A tecnologia é uma grande aliada em qualquer tipo de profissão, e no Direito não poderia ser diferente. Muito além dos softwares de acompanhamento processual e do sistema de processo eletrônico, é possível que o advogado fique em dia com o seu trabalho a um clique do celular. No presente artigo, apresentaremos 7 aplicativos indispensáveis para advogados. Confira.

1. Scanner Pro

O Scanner Pro é um aplicativo muito útil no dia a dia dos advogados, principalmente para tirar cópias de processos e de documentos de clientes.

Com ele, você terá um escâner portátil, já que é possível tirar fotos de alta precisão com a câmera do seu celular e transformá-las, automaticamente, em documentos no formato PDF.

Além disso, os documentos gerados podem ser salvos na memória interna do smartphone ou ser compartilhados em plataformas como Dropbox ou Evernote.

2. Dropbox

Disponível também na forma de website, o Dropbox é um dos sistemas de compartilhamento e armazenamento de documentos mais usados em todo o mundo.

Através dele os usuários podem armazenar e disponibilizar na internet uma infinidade de documentos, que podem ser consultados ou distribuídos por meio de links.

A versão gratuita disponibiliza um espaço de 2Gb, mas há a possibilidade de aumentar este espaço pagando por contas mais avançadas.

Para o advogado, a vantagem é que esse app ajuda a organizar e disponibilizar documentos dentro do escritório ou até mesmo para os clientes.

E ele poderá, ainda, acessar os seus documentos de qualquer dispositivo, desde o computador, até o smartphone ou tablet.

3. Portal do Escritório

Para que os seus clientes tenham acesso ao andamento de seus processos no escritório, o Portal do Escritório é uma ótima opção.

Esse aplicativo possibilita que o advogado crie uma conta, com usuário e senha individuais, para cada cliente.

Assim, ele poderá ficar por dentro de toda a movimentação do processo, o que implicará em economia de tempo do advogado.

É como se o cliente estivesse consultando o andamento nos sites dos tribunais. No entanto, as informações contidas no app são inseridas pelo próprio advogado ou escritório.

4. Vade Mecum online

Este aplicativo já é bastante conhecido pelos advogados e estagiários de advocacia, já que ele compila toda a legislação presente no Vade Mecum, ao alcance do seu celular.

Com o Vade Mecum app, o profissional do Direito poderá pesquisar artigos e até leis completas, com uma ferramenta de busca própria, ou consultar a legislação na íntegra.

É uma ótima funcionalidade para aqueles que precisam fazer uma consulta rápida de algum artigo de lei no meio da audiência, ou buscar aquela súmula difícil de ser encontrada no Vade Mecum físico, na hora de escrever uma petição.

5. CamCard

Este é um aplicativo que funciona como uma agenda no celular em que o advogado poderá fotografar cartões de visita e organizar os seus contatos com muita praticidade. Além disso, o usuário pode criar cartões de visita virtuais para distribuição entre seus contatos.

É uma ferramenta muito interessante e prática que auxiliará o profissional na construção do seu networking, que é essencial na carreira jurídica.

6. STJ

O Superior Tribunal de Justiça, à semelhança do site, possibilita consulta processual, consulta de acórdãos na Jurisprudência deste Tribunal e calendário de sessões.

Para pesquisa processual, o usuário deve fazer a busca de processos pelo número, número da OAB, nome do advogado, nome da parte, número do registro e número único do CNJ.

Para o advogado, traz praticidade e agilidade na consulta dos andamentos processuais e publicações dos seus processos no STJ.

7. Justiça Fácil

Este aplicativo está conectado a todas as varas e tribunais do país e possibilita que qualquer pessoa tenha acesso rápido e fácil aos seus processos.

De posse de informações como nome completo, estado e cidade, o usuário poderá consultar o andamento dos processos judiciais que está acompanhando.

Os advogados em muito se beneficiarão destas ferramentas, já que economizarão tempo de pesquisa em cada site, de cada tribunal, para ficar a par dos processos de seus clientes.

Gostou da nossa lista de aplicativos para advogados? Para sempre receber novidades e notícias sobre o mundo jurídico, curta a nossa página no Facebook e acompanhe as nossas publicações.


A advocacia é uma das profissões mais reguladas do Brasil. Entre as várias limitações e especificidades que todos os advogados devem observar em território nacional, estão as regras do Código de Ética da Ordem dos Advogados do Brasil.

Sem ferir seus dispositivos, como o advogado pode conquistar clientes em seu dia a dia? O que é permitido e o que é proibido? Continue a leitura e saiba mais informações.

Tenha um site com informações essenciais sobre seu escritório

Um site pessoal ou do escritório de advocacia é um dos melhores cartões de visita que você pode ter para conquistar novos clientes. Além de aparecer em ferramentas de busca online, possíveis clientes terão acesso a suas áreas de atuação, horário de atendimento, equipe, principais formas de contato e outros serviços oferecidos.

É importante, no entanto, não publicar os valores dos seus serviços e nem realizar atendimentos pela internet, conforme dispõe o artigo 29, nos incisos XXXVI e XXXVII, respectivamente, do Código de Ética e Disciplina.

Conquiste clientes com discrição e moderação

De acordo com os artigos 28, 30 e 31 do Código de Ética e Disciplina da OAB, o advogado deve observar a discrição e a moderação quando divulgar os serviços que presta.

O que isso significa, na prática? Basicamente, que esse profissional não deve fazer anúncios muito ostensivos, como na TV, rádio e publicações impressas. Da mesma forma, elementos visuais que identificam o local do escritório, como fotografias, placas, fachadas e sinais de identificação, devem ser discretos e manter a reputação séria da profissão. À vista disso, seja sempre moderado em seu marketing pessoal.

Divulgue prêmios e conquistas do escritório

Advogados podem divulgar o reconhecimento profissional que receberem em prêmios especializados, rankings nacionais e internacionais, bem como eventos nos quais os membros do escritório participarão como palestrantes (artigo 29, incisos XVII e XVIII do Código de Ética e Disciplina).

Entretanto, é importante que essa divulgação não compreenda a participação do escritório ou de seus membros em eventos estranhos à atividade jurídica (artigo 29, XXXII).

Se especialize em outras áreas do Direito

Para ter uma ampla cartela de clientes em seu escritório, muitas vezes é preciso atuar também em variadas áreas. Em geral, há quem atue com Direito do Trabalho e Previdenciário, por exemplo, porque são áreas complementares.

O mesmo ocorre com advogados especializados em Direito Empresarial e em Propriedade Intelectual. Busque especializações em áreas complementares à sua e capte mais clientes pela importância da sua qualificação.

Todas essas informações podem constar no currículo digital do escritório, referente aos advogados associados e colaboradores da equipe. Para os clientes, essa é uma forma de atestar competências e garantir maior respaldo em relação ao atendimento.

Participe de eventos especializados

Congressos, seminários, simpósios, reuniões e outros eventos especializados são ótimos espaços para fazer networking e divulgar seus serviços, desde que afins à atividade advocatícia. Você poderá participar como palestrante, patrocinador e até mesmo ouvinte. Mas lembre-se de preparar materiais de divulgação, como cartões de visita e prospecto de serviços prestados.

Use redes sociais e outras formas de comunicação

Sim, é possível utilizar redes sociais e até mesmo apps como o WhatsApp para manter um contato entre o escritório e seus clientes. No entanto, valem também os mesmos aspectos do Código de Ética e disciplina: não se deve divulgar preços, cartela de clientes atuais, casos específicos em que atuou, nem mesmo enviar publicações não solicitadas, como spam e postagens invasivas.

Com essas informações em mãos, conquistar novos clientes para seu escritório é algo mais factível do que você imaginava.

Gostou do conteúdo? Curta a página da Conecta Advogado no Facebook e fique por dentro de mais postagens como esta.


Seja para refletir sobre os dilemas morais da carreira, seja para aprender com as lições dos protagonistas e com as narrativas inovadoras, existem alguns filmes que todo advogado deveria assistir.

Há muito o que aproveitar nas obras cinematográficas que retrataram a profissão do advogado nas telas do cinema. No presente post, reunimos 5 dos principais filmes com essa temática. Continue a leitura e confira.

1. O Sol é para Todos

Esse filme é uma adaptação de um clássico da literatura americana. A história está centrada em um julgamento de um suspeito de estupro no Alabama, no Sul dos Estados Unidos. Em uma nação ainda aquém dos movimentos por igualdade civil entre brancos e negros, ainda era revolucionário representar negros nos tribunais.

Atticus Finch, no entanto, defende seu representado com maestria e consegue levantar, por meio de apurada técnica e contra a pressão popular, todos os argumentos legais e fáticos necessários para absolver seu cliente.

O modo com que o advogado lida com a pressão da sociedade, ao mesmo tempo em que tenta criar a consciência da igualdade nos filhos, é o que torna esse filme tão especial.

2. Minority Report

Apesar de ser um filme de ficção científica, Minority Report apresenta importantes reflexões acerca da autonomia da vontade e da capacidade de tomar decisões diferentes daquelas predeterminadas.

John Anderton inicialmente acredita no sistema de prevenção de crimes por meio de previsões do futuro, até que ele mesmo se envolve em uma dessas previsões.

Vale a pena assistir a esse filme para pensar sobre livre arbítrio, o papel do governo na prevenção de crimes e a necessidade do Direito de tomar decisões independentemente do apelo midiático.

3. A Firma

Baseado em livro homônimo de John Grisham, A Firma conta a história de Mitch McDeere, um advogado em início de carreira que começa a descobrir diversas impropriedades e fraudes sendo cometidas no escritório de advocacia pelo qual foi contratado.

Em meio a suas próprias investigações, ele experimenta o dilema entre quebrar seu sigilo profissional para auxiliar nas investigações ou se manter em uma firma em que são conduzidas atividades criminosas.

O filme traz uma reflexão sobre a ética profissional e a necessidade de prezar pelas boas práticas no dia a dia da advocacia, tornando-se recomendável para todo advogado.

4. O Segredo dos seus Olhos

Esse é um filme Argentino que se passa em dois momentos distintos do tempo: na ditadura e nos anos 2000. Benjamim Esposito é um oficial de justiça aposentado que, em 1974, atua na investigação de um crime de estupro seguido de assassinato.

Ele não é capaz de ajudar o marido da vítima a solucionar o crime, mas mantém sua curiosidade sobre o ocorrido e continua a investigá-lo mesmo depois de tanto tempo. O filme demonstra a determinação por justiça de muitos envolvidos com o Poder Judiciário, a despeito da falta de recursos e crença no sistema.

5. Erin Brockovich

Por mais que a história de Erin Brockovich (mãe solteira, funcionária determinada e de personalidade forte) seja o fio condutor dessa história, esse ainda é um dos filmes que todo advogado deveria assistir.

Isso porque sua grande moral está na forma com que uma pequena firma de advogados nos Estados Unidos consegue mover uma das maiores ações de indenização já vistas naquele país, contra uma empresa suspeita de acobertar a poluição de lençóis freáticos de toda uma comunidade.

O filme evidencia a importância do relacionamento com os clientes, bem como a ideia de que nenhuma causa é pequena demais, e que muitas vezes é preciso persistir na profissão, apesar de todas as dificuldades e percalços encontrados na carreira.

Aproveite esta lista de filmes que todo advogado deveria assistir em seu próximo momento de folga e aumente ainda mais seu conhecimento sobre a profissão. Curta também a página da Conecta Advogado no Facebook. Até o próximo o artigo.


Exatamente por sua importância, o novo CPC não poderia deixar de trazer novidades em sua regulamentação.Um dos instrumentos mais importantes do Processo Civil brasileiro é a petição inicial. Esse é o tema deste artigo, que enumerará e explicará as modificações do tratamento da petição inicial no novo CPC. Acompanhe.

Procedimento comum

Antes de falarmos especificamente sobre a petição inicial, cabe ressaltar que o novo Código de Processo Civil brasileiro revogou a divisão do procedimento comum em rito ordinário e sumário.

A partir de agora, todas as ações deverão ser julgadas de acordo com o procedimento comum, salvo disposição na legislação específica acerca de procedimentos especiais, tudo conforme disposição do artigo 318 do novo CPC.

Requisitos da petição inicial no novo CPC

O artigo 282 do antigo CPC deu lugar ao artigo 319 da nova Lei, em que algumas inovações podem ser listadas entre os requisitos da petição inicial.

A primeira delas diz respeito ao endereçamento da petição. Antes, os advogados tinham que direcionar o cabeçalho da petição à pessoa do juiz. Hoje, é direcionado ao juízo competente, ou seja, ao órgão julgador.

Outra modificação relevante é a inclusão de novos dados na qualificação das partes presentes na petição inicial.

Com o novo Código, será necessário informar o endereço eletrônico, além dos dados básicos do réu e do autor (nome, nacionalidade, estado civil, profissão, endereço, CPF etc.), a fim de facilitar a intimação e a comunicação entre as partes.

É claro que, na hipótese de o advogado não conhecer o endereço eletrônico do réu, ou este não possuir e-mail, a ausência dessa informação não tornará a petição inicial inepta.

Além disso, a união estável, se houver, deverá ser informada na petição, tendo em vista que pode ser importante no curso de alguns processos, como no caso de inventários e ações típicas do Direito Imobiliário, por exemplo.

Pedido e valor da causa

Quanto ao pedido e ao valor da causa, algumas alterações podem ser citadas, como a determinação de que o pedido deve ser certo e determinado e de que o valor da causa deve compreender juros legais, correção monetária e verbas sucumbenciais, incluindo os honorários advocatícios.

Como dito, de acordo com o novo CPC, em seus artigos 322 e 324, o pedido deve ser certo e determinado, ou seja, deve ser expressamente indicado na petição inicial, de forma clara e precisa, principalmente na quantidade.

Em ações cujo pedido implica o cumprimento de prestações sucessivas, por exemplo, essas estarão compreendidas no pedido, independente de manifestação expressa do autor neste sentido.

Já no caso do valor da causa, todos os valores indiretos que o compõem devem ser incluídos neste tópico da petição inicial, diferentemente do que previa a legislação anterior, que considerava que tais valores eram compreendidos como pedido indireto do autor.

Pedidos

Embora haja a previsão clara, no novo CPC, de que o pedido deve ser determinado na petição inicial, essa nova legislação prevê também a possibilidade do pedido genérico. Ele será aceito em casos listados no novo Código, em seu artigo 324.

Outra possibilidade é o pedido alternativo, que proporciona ao réu a atuação de outra maneira, que não a prevista na petição inicial, tudo de acordo com as disposições do artigo 325 do novo CPC.

Há, ainda, as previsões de pedidos cumulados, em que o autor poderá quantificá-los em relação ao seu somatório, e subsidiários, em que o valor da causa será o do pedido principal.

Audiência de conciliação

Por fim, uma das grandes inovações trazidas pelo novo Código de Processo Civil brasileiro foi a possibilidade de conciliação das partes antes da audiência de instrução de julgamento.

Conforme prevê o novo Código, caberá ao juiz oferecer a possibilidade de acordo antes de marcar a data da audiência, iniciativa que estimula as formas extrajudiciais de resolução de conflitos.

Diante desta mudança, em relação à petição inicial, foi dada ao autor a possibilidade de convocar o réu a participar da audiência inicial de conciliação no ajuizamento da ação (artigo 319, VII).

Agora que você já está por dentro de algumas das mudanças trazidas da petição inicial no novo CPC, que tal aprofundar um pouco mais sobre o assunto? E se ficou alguma dúvida, escreva para a gente nos comentários.


Ser um advogado iniciante nem sempre é fácil. Há desafios para captar clientes, escolher estratégias processuais, lidar com as finanças do escritório e até mesmo se adaptar às demandas de um mercado em constante transformação.

Nesse contexto, é importante que um advogado iniciante saiba quais são os erros mais comuns e como evitá-los. Confira nossa lista:

1. Negligenciar a qualidade do atendimento ao cliente

É imprescindível manter a qualidade da forma com que você e seu cliente se relacionam. Para isso, não negligencie ligações, e-mails e mensagens de clientes. Procure respondê-las com a maior brevidade possível, e de maneira completa.

Além disso, é necessário adequar sua linguagem e conteúdo a cada tipo de cliente. Por exemplo, se você atende o departamento jurídico de uma empresa, pode utilizar vocabulário técnico e manter o formalismo nas comunicações.

Já quem lida com causas individuais, de clientes que são leigos no Direito, precisa empregar linguagem pessoal, além de evitar o “juridiquês” ao explicar os andamentos do processo.

2. Não se comunicar adequadamente com colegas

Colegas de trabalho são parte de uma equipe, principalmente se você trabalha em um escritório de advocacia.

Se comunicar bem com eles garante maior sucesso nas defesas, aprendizado a partir de erros e experiências de outros profissionais, bem como cooperação em casos que demandam maior atenção.

3. Não seguir prazos

Perder um prazo pode significar também a perda de um direito para seu cliente ou o fracasso de uma ação. Não deixe que isso manche sua reputação profissional e procure cumprir prazos religiosamente.

Uma boa dica para não esquecer de nenhuma data importante é utilizar agendas semanais, em que você consegue verificar as pendências já na segunda-feira, de modo a não deixar nada para a última hora.

Além disso, recomenda-se terminar as tarefas com pelo menos um dia de antecedência (D – 1), o que deixa você e seu cliente bem mais tranquilos.

4. Deixar de prospectar clientes

Se você está começando sua carreira, é bom lembrar que clientes não vão bater à sua porta. É preciso conquistá-los.

Por isso, trace estratégias de prospecção e invista em marketing pessoal. Participe de eventos especializados, divulgue seus serviços (e contatos) e mantenha bons relacionamentos com advogados de outras áreas, que poderão te indicar a novos clientes e vice-versa.

5. Não se atualizar constantemente

Muitos currículos de graduação, por melhores que sejam as instituições de ensino, são ultrapassados e não refletem as áreas de fronteira do Direito atualmente. Não se contente com esses conhecimentos e busque atualização profissional por meio de cursos, especializações e leituras diárias.

6. Não precificar seus serviços corretamente

O fato de você estar no início da carreira não o impede de cobrar adequadamente pelos serviços prestados.

Para ter respaldo profissional, deve-se precificar adequadamente seu serviço, cumprindo os parâmetros da tabela de honorários da OAB.

7. Não ter um plano de carreira bem definido

O início da carreira advocatícia é o momento ideal para traçar um plano profissional bem definido e ambicioso. Afinal, você tem todo um caminho pela frente e quer alavancar sua carreira da melhor forma possível.

Dessa maneira, torna-se mais fácil fazer escolhas estratégicas em relação a quais áreas atuar, em quais escritórios e com quais clientes.

8. Negligenciar a importância da estratégia de defesa

Hoje em dia, não basta ter o conhecimento material do Direito para fazer boas defesas. Também é necessário que você conheça as melhores estratégias processuais para atingir os objetivos de quem você representa.

Nesse contexto, é muito importante saber quando recorrer, como recorrer, quando despachar diretamente com o juiz, o perfil de cada magistrado, entre outros aspectos.

9. Não fazer networking

O advogado iniciante precisa formar uma rede de relacionamentos para conquistar novos clientes e colaborar profissionalmente com outros profissionais da área.

Para isso, é preciso fazer networking desde cedo. Participe dos eventos de sua área, tenha sempre seus contatos atualizados e mantenha cartões profissionais à mão.

E você? Já cometeu algum desses erros em sua carreira? Ainda que você seja um advogado iniciante, é importante se atentar a essas atitudes e procurar evitá-las! Aproveite também para nos seguir no Facebook e Instagram e receber mais dicas como essas.